Quinta-feira, Julho 18, 2024

Natanael Santos Apresenta Livro “Rumo” em Idanha-a-Nova

No dia 21 de maio, o jovem autor cigano Natanael Santos, de 25 anos, apresentou a sua obra “Rumo” no Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova. Esta obra, escrita a partir de Zebreira, no concelho de Idanha-a-Nova, marca a estreia literária de Natanael e foi recebida com grande entusiasmo pela comunidade local.

Apresentação da Obra

A apresentação do livro esteve a cargo de Ana Gomes, antiga Eurodeputada, que elogiou o autor pelo seu talento e coragem. “O livro não só evidencia o talento do Natanael, mas também as aprendizagens adquiridas ao longo da sua jovem vida, nomeadamente na relação com a sua comunidade cigana, que é parte da nossa comunidade e não podemos continuar a ignorar ou a discriminar negativamente”, afirmou Ana Gomes. Ela destacou ainda a determinação de Natanael em não se deixar limitar pelos determinismos, mantendo o orgulho na sua comunidade de origem.

Sobre o Autor

Natanael Santos é cronista habitual em vários jornais nacionais e online, ativista pelos Direitos Humanos e membro da comunidade cigana portuguesa. Academicamente, é licenciado em Gestão e em Gestão de Recursos Humanos pela Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova, e atualmente está a fazer um mestrado em Gestão de Empresas na mesma instituição.

Conteúdo e Mensagem do Livro

Durante a apresentação, Natanael Santos explicou que “Rumo” é um “grito do Eu face ao senso comum”, transmitindo a mensagem de que devemos focar-nos no nosso bem-estar e crescimento pessoal, mesmo sem sermos egoístas. O livro, com traços autobiográficos, conta a história de superação e conquistas de um rapaz, refletindo as experiências e desafios enfrentados pelo autor.

A coordenadora das Comemorações dos 50 Anos do 25 de Abril em Idanha-a-Nova, Patrícia Dias, notou que em nenhuma parte do livro se menciona que o protagonista, um rapaz que vive num bairro social de uma cidade fictícia, é cigano. Esta abordagem sublinha as barreiras físicas e mentais que o personagem tenta superar, destacando a necessidade contínua de promover os valores democráticos em Portugal.

Reações e Apoio

O presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, expressou a sua satisfação pelo lançamento do livro e felicitou Natanael pelo seu talento e dedicação. “Este livro é um exemplo de que o investimento na educação é sempre um bom investimento, para que jovens como o Natanael tenham a oportunidade de desenvolver as suas aptidões e fazerem a diferença em diversas áreas”, afirmou.

A apresentação do livro “Rumo” coincidiu com o Dia Internacional da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento, fazendo parte das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, organizadas em articulação com o CLAIM de Idanha-a-Nova.

Conclusão

A obra “Rumo” de Natanael Santos surge como um testemunho de resiliência e superação, refletindo a realidade de muitos jovens na comunidade cigana e inspirando outros a perseguir os seus sonhos e objetivos, independentemente das adversidades. O evento foi um marco significativo para o autor e para a comunidade, celebrando a diversidade e a inclusão através da literatura.

- pub -

Natanael Santos Apresenta Livro “Rumo” em Idanha-a-Nova

No dia 21 de maio, o jovem autor cigano Natanael Santos, de 25 anos, apresentou a sua obra “Rumo” no Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova. Esta obra, escrita a partir de Zebreira, no concelho de Idanha-a-Nova, marca a estreia literária de Natanael e foi recebida com grande entusiasmo pela comunidade local.

Apresentação da Obra

A apresentação do livro esteve a cargo de Ana Gomes, antiga Eurodeputada, que elogiou o autor pelo seu talento e coragem. “O livro não só evidencia o talento do Natanael, mas também as aprendizagens adquiridas ao longo da sua jovem vida, nomeadamente na relação com a sua comunidade cigana, que é parte da nossa comunidade e não podemos continuar a ignorar ou a discriminar negativamente”, afirmou Ana Gomes. Ela destacou ainda a determinação de Natanael em não se deixar limitar pelos determinismos, mantendo o orgulho na sua comunidade de origem.

Sobre o Autor

Natanael Santos é cronista habitual em vários jornais nacionais e online, ativista pelos Direitos Humanos e membro da comunidade cigana portuguesa. Academicamente, é licenciado em Gestão e em Gestão de Recursos Humanos pela Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova, e atualmente está a fazer um mestrado em Gestão de Empresas na mesma instituição.

Conteúdo e Mensagem do Livro

Durante a apresentação, Natanael Santos explicou que “Rumo” é um “grito do Eu face ao senso comum”, transmitindo a mensagem de que devemos focar-nos no nosso bem-estar e crescimento pessoal, mesmo sem sermos egoístas. O livro, com traços autobiográficos, conta a história de superação e conquistas de um rapaz, refletindo as experiências e desafios enfrentados pelo autor.

A coordenadora das Comemorações dos 50 Anos do 25 de Abril em Idanha-a-Nova, Patrícia Dias, notou que em nenhuma parte do livro se menciona que o protagonista, um rapaz que vive num bairro social de uma cidade fictícia, é cigano. Esta abordagem sublinha as barreiras físicas e mentais que o personagem tenta superar, destacando a necessidade contínua de promover os valores democráticos em Portugal.

Reações e Apoio

O presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, expressou a sua satisfação pelo lançamento do livro e felicitou Natanael pelo seu talento e dedicação. “Este livro é um exemplo de que o investimento na educação é sempre um bom investimento, para que jovens como o Natanael tenham a oportunidade de desenvolver as suas aptidões e fazerem a diferença em diversas áreas”, afirmou.

A apresentação do livro “Rumo” coincidiu com o Dia Internacional da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento, fazendo parte das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, organizadas em articulação com o CLAIM de Idanha-a-Nova.

Conclusão

A obra “Rumo” de Natanael Santos surge como um testemunho de resiliência e superação, refletindo a realidade de muitos jovens na comunidade cigana e inspirando outros a perseguir os seus sonhos e objetivos, independentemente das adversidades. O evento foi um marco significativo para o autor e para a comunidade, celebrando a diversidade e a inclusão através da literatura.

- pub -

MAIS PARA SI

- pub -